Quinta-feira, 6 de Dezembro de 2012

Espiritualidade e Envelhecimento Ativo

O envelhecimento populacional é uma realidade mundial. Em países desenvolvidos, a população idosa (acima de 65 anos) já ultrapassou o número de crianças e estima-se que em 2050 teremos 32% de pessoas idosas. Estudos e pesquisas demonstram que é nesta faixa etária que há mais contato com a própria espiritualidade e religiosidade. O fato de a velhice ser considerada a última etapa da vida faz com que se pense mais na morte e, sobretudo, no que vem depois dela. A  questão da finitude da vida, nesta fase, torna-se mais próxima e até real. Há quem proponha para um envelhecimento bem sucedido, a existência de três elementos: probabilidade baixa de doenças, grande funcionalidade cognitiva e física e intenso "namoro" com a vida. Entretanto, um estudo feito com  idosos cujas crenças pessoais davam maior significado às suas vidas  mostrou que  envelheciam melhor, em comparação com aqueles que não as possuíam. Ora incluindo aqui as atividades religiosas surge um quarto fator a considerar: a espiritualidade. A importância deste tema vem então pelo fato de que os idosos (pacientes ou não) usariam  as suas crenças religiosas e espirituais para uma melhor qualidade de vida, levando  a um menor sofrimento, menor valorização da dor e maior aceitação da morte. De fato, a interligação entre religiosidade/espiritualidade e a saúde remonta aos primórdios da história, em que os poderes da«cura» estavam nas mãos dos que lidavam com o espírito. Na prática, o retorno à vida religiosa passa a ser mais evidente sendo, para muitos, indispensável. Faz sentido quando se pensa na velhice como a etapa em que um balanço da vida é necessário e inevitável. Se pensarmos que desde sempre as crenças, práticas e experiências espirituais têm sido uma das componentes de maior prevalência e influência  na maioria das sociedades não nos devemos surpreender que profissionais de saúde, investigadores e as pessoas em geral tenham reconhecido a importância da dimensão deste tema, principalmente na saúde, e nesta faixa etária em particular. Quem se movimenta junto ao idoso, nomeadamente o profissional de saúde, tem que estar treinado para perceber e respeitar a espiritualidade como um fator associado ao envelhecimento bem sucedido e até aos cuidados no fim da vida.

 

 

Ana Mendes  Voluntária na SCMAH

 

sinto-me:
publicado por servoluntariosempre às 11:32
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Entrevista ao Diario Insu...

. Até já!

. Boas Festas!

. Dia Mundial da Saudação

. Prémio BPI

. A Solidariedade

. Entrevista ao Diário Insu...

. Entidades Familiarmente R...

. Afetos com 4 patas

. Coro da Academia Sénior, ...

.arquivos

. Junho 2014

. Abril 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

blogs SAPO

.subscrever feeds